Programa Educação em Casa disponibiliza atividades complementares para alunos de Santo André

Conteúdo disponível online foi especialmente desenvolvido por conta da suspensão de aulas provocada pela pandemia de Covid-19

Santo André, 30 de março de 2020 – A Prefeitura de Santo André lançou nesta segunda-feira (30) o programa Educação em Casa, que disponibilizará atividades complementares para os alunos da rede municipal, especialmente desenvolvidas para serem realizadas durante o período de suspensão das aulas. O conteúdo pode ser acessado no site educacao.santoandre.sp.gov.br.

As aulas estão suspensas desde o dia 23 de março em todas as creches, Emeiefs (Escolas Municipais de Educação Infantil e Ensino Fundamental) e Cesas (Centros Educacionais de Santo André). A medida faz parte do conjunto de ações adotadas pela Prefeitura no combate à pandemia de Covid-19.

Neste ano, a rede municipal de ensino atende 36 mil estudantes, com idade entre 0 e 10 anos (do berçário ao 5º ano do ensino fundamental) e 2.700 alunos com mais de 15 anos nas salas da EJA (Educação de Jovens e Adultos).

“As crianças terão acesso a atividades escolares complementares, lúdicas e educativas. É uma forma de os alunos passarem o tempo ocioso em casa sem cortar o vínculo com a educação, o que é fundamental”, afirmou o prefeito Paulo Serra.

Para as crianças, a Secretaria de Educação disponibilizou alternativas didáticas que poderão auxiliar as famílias a lidar com o período de afastamento da escola regular. São sugestões de atividades de teor lúdico e educativo, que criam oportunidades de momentos de interação com a família, por meio de brincadeiras, contação de histórias e desenvolvimento do raciocínio matemático e da inteligência emocional.

“Temos estudantes de diversas idades em nossa rede municipal de ensino, por isso preparamos atividades que possam ser realizadas por estes diferentes públicos atendidos, crianças, jovens e adultos, incluindo alunos com deficiência ou transtornos funcionais específicos”, explicou a secretária de Educação em exercício, Gilzane Machi.

Para os jovens e adultos, serão disponibilizados materiais e propostas didáticas que possam oferecer acesso à informação e ao conhecimento científico, visando a compreensão, análise e reflexão sobre os temas abordados.

“Crianças, jovens e adultos com deficiência ou transtornos funcionais específicos terão, além das ações regulares, algumas atividades que considerem e atendam algumas especificidades que estes estudantes possuem”, explicou Gilzane Machi.